Ex-aluno de Publicidade e Propaganda do Unifeg é finalista no Concurso de Humor de Piracicaba

Publicado em 10/09/2013 - Educação - Da Redação

Mais de 4 mil trabalhos foram enviados ao evento

O ex-aluno do curso de Publicidade e Propaganda do Unifeg, Caetano Cury Nardi, recebeu menção honrosa na categoria “tiras” durante abertura do 40º Salão Internacional de Humor de Piracicaba, que aconteceu no dia 24 de agosto.

Caetano participa da Mostra há seis anos, tendo sido selecionados todos os trabalhos enviados por ele. Este ano, em homenagem aos 40 anos do disco ‘The Dark Side of the Moon’, do Pink Floyd, a ‘tira’ do publicitário concorre ainda, ao prêmio do Júri Popular, mas depende da ajuda de todos. Para votar, clique aqui: http://salaodehumor.piracicaba.sp.gov.br/humor/juri-popular/. (É a 4ª tirinha).

Segundo Caetano, a publicidade proporciona visibilidade. O nome de uma série de tirinhas dele (“Téo & O Mini Mundo”) foi pensado por uma cabeça de publicitário. É um nome forte, que instiga a curiosidade. Técnicas visuais, como a disposição do texto, cores, redação, e também os aspectos psicológicos e sociológicos estão presentes nas peças. “Ainda muito me marcaram as aulas de Filosofia. O Téo tem muito disso de questionar a vida e a origem dela. Mas o principal é o todo: as técnicas publicitárias chamam a atenção, destacam, iluminam um trabalho. E ás vezes, essas técnicas ajudam a convencer um júri, conscientemente ou não”.

As idéias estão por aí: soltas na rua, nas casas, nas conversas. Surgem do nada, disse o cartunista. “Vejo alguma coisa aparentemente simples (um abraço, por exemplo) e vou desenvolvendo um raciocínio sem compromisso sobre os efeitos daquele abraço, as possíveis causas, etc. De repente, me dou conta que aquilo pode virar um desenho. E então, anoto e um dia eu sento e faço. Às vezes faço no mesmo dia, às vezes nem faço”, encerrou o profissional.

Sobre o Unifeg: A publicidade ajuda a deixar uma ideia mais visível. O nome de uma série de tirinhas minhas (“Téo & O Mini Mundo”) foi pensado por uma cabeça de publicitário. É um nome forte, que instiga a curiosidade. Técnicas visuais, como a disposição do texto, das cores também estão ali. E a redação. E também os aspectos da Psiciologia e seus inconscientes e a Sociologia com sua consciência coletiva. Ainda muito me marcaram as aulas de Filosofia. O Téo tem muito disso de questionar a vida e a origem dela. Enfim. Mas o principal é o todo: as técnicas publicitárias chamam a atenção, destacam, iluminam um trabalho. E ás vezes, essas técnicas ajudam a convencer um júri, conscientemente ou não.

Fonte: ASCOM / Eliza Assis / Ass. Imprensa / Unifeg